21.9.05

(23:21:37) Lord of Morning: toda a minha vida
(23:21:40) Lord of Morning: ainda hj o disse à formadora
(23:21:42) Lord of Morning: eh assim
(23:21:45) Lord of Morning: exercicios sobre o joelho
(23:21:53) Lord of Morning: para que quero eu ter estrategias de bom valor estatistico
(23:21:59) Lord of Morning: se td o que conta eh o momento
(23:22:05) Lord of Morning: e o momento eh imponderavel
(23:22:13) Lord of Morning: so o rasgo o salva, se a coisa da para o extremo.

(os asteróides só matam uma vez)

19.9.05

Hoje rio-me de tudo, parece que acordei com um penso de ganza na cervical %)

Rio-me do numerozinho que selecciono naquele drop-down que demora doze segundos a abrir, do tom humilde e besuntado do colega que fala ao telefone como se o mundo fosse um aquário onde a Mary Poppins se reflecte enquanto limpa o pó à casa, dos dias que já passaram sem que eu tivesse parado para me rir de tudo.

Adoro-nos a todos, e ao próximo gajo que me disser que não sou dono da verdade, responderei (com uma gargalhada) que é também risível, essa afirmação, dado que ninguém é dono da verdade \=^)

18.9.05

On the whole, I am extremely sorry to have such proofs of human ignobleness and unfeeling. We should not, were we in truth manly, laugh at the woes of others; but we cannot, as it seems, force manliness on ourselves. Yet if misery and grief delight us, and the woes of our enemies amuse, let us be so far noble as to say no thing, and lock within us our joy - let us not, however it may be, burst into laughter, least of all into the unsteady sniggering of those whose fears are dispelled, than which there is nothing more base.

- Charles Robert Anon


(qual Campos pá)

(volta %) )

9.9.05

Hoje foi o primeiro dia de Outono. Como bom auspício, não o atravessei sozinho. Ultimamente tem sido assim. Mais até do que antes. Rodeado de betão humano, trouxeram-me o cheiro a terra molhada e a folhas caídas em florestas impossíveis. Há por aí uma princesa, que é antes de tudo mulher. E brilha no meu destino como um farol enorme.

3.9.05

Extreme values in abstract spaces with order

In the case of a general partial order one should not confuse a least element (smaller than all other) and a minimal element (nothing is smaller). Likewise, a greatest element of a poset is an upper bound of the set which is contained within the set, whereas a maximal element m of a poset A is an element of A such that if mb (for any b in A) then m = b.

Any least element or greatest element of a poset will be unique, but a poset can have several minimal or maximal elements. If a poset has more than one maximal element, then these elements will not be mutually comparable.

In a totally ordered set, or chain, all elements are mutually comparable, so such a set can have at most one minimal element and at most one maximal element. Then, due to mutual comparability, the minimal element will also be the least element and the maximal element will also be the greatest element.

If a chain is finite then it will always have a maximum (maximal element, greatest element) and a minimum (minimal element, least element). If a chain is infinite then it need not have a maximum or a minimum. For example, the set of natural numbers has no maximum, though it has a minimum.

If an infinite chain S is bounded, then the closure Cl(S) of the set will have a minimum and a maximum, which are the greatest lower bound and the least upper bound of the set S, and which either belong to S or are accumulation points of S.

(source: Wikipedia)

( não foi a ti que esqueci %) )
Anuncio que te esqueci. Não desaparecerão os momentos nem os dados, porque nada é nada; e se pontualmente julguei nomear o amor, anuncio que errei na nesciência voluntariosa de fazer melhor. Mas não fica coisa alguma tua, nem nossa, nem pertença do resto do mundo. Só restam os originais que nunca quiseste reconhecer, na cíclica demanda pelo tempo certo. Não há tempo certo ou errado, nem é a partilha essa forma artificial de calcular. Só existe a acção e a troca constante de partículas. É como na Física: a atracção é mediada pela emissão/recepção contínua de informação, é isto a paixão do universo e eu, se existo, anuncio que estou imerso nela até ao âmago.



(out for lunch)


Demeter and Persephone
Possibly means "ready to journey" from Gothic "journey" and "ready".
Was the mother of Romulus and Remus, the founders of Rome.

Era felicidade porque tinha um fluxo harmonioso.
Era felicidade como qualquer movimento de irradiação é feliz.
Havia-me estilhaçado outrora num milhão de seres e objectos.
Hoje estou inteiro; amanhã estilhaço-me de novo.
E assim tudo no mundo se decanta e modula.
Naquele dia estive na crista da onda.
Sabia que tudo quanto me rodeava eram as notas de uma e mesma harmonia, sabia – secretamente – a origem e a inevitável resolução dos sons reunidos por um instante e o novo acorde que seria engendrado por cada nota dispersa.
O ouvido musical da minha alma sabia e compreendia tudo.


- Vladimir Nabokov


(esta seria só para ti, se fosse minha para ter o direito de a resguardar)

Ordens de grandeza

(início)
1 imagem <-> 1000 palavras
1 instante <-> 1000 imagens
1 olhar <-> 1000 instantes
(totalidade)
(merece ser post)


Está sempre calor. Calor das fogueiras que andam na rua sem sabermos delas, calor da lareira no horizonte, calor da eterna incineração dos medos e hesitações (ardem e passam à História), calor do corpo que não consegue conter hermeticamente a alma, calor das mãos distantes, calor num olhar ao vermo-nos através da rocha e do musgo, calor por entre o frio intersticial.

Ainda assim, calores que empalidecem ao lado desta coisa que sinto.
Image hosted by Photobucket.com


Animus/Anima/Outono/Primavera/Yin/Yang/Lightning/Flame
CHANGING OF THE LIGHT
(Sullivan) 1993

The sky is broken in grey and in silver
The wind blows clean
We watch the shadows chase across the hillside
And out to sea
You and I, we're nearly full circle
It's just a touch away
And all the seeds we've sown in a lifetime
They'll come good some day
Pain is what you live with
And try to change the subject
In the dark the hands reach out
But I still feel the wonder
As the sky turns to fire
A catching in the heart
Standing between the worlds
In the changing of the light
Across the desert the wise men travelled
Following a dream
I see the same star shining above us
Endlessly
e por outro lado
October
And the trees are stripped bare
Of all they wear
What do I care
October
And kingdoms rise
And kingdoms fall
But you go on

(U2)

1.9.05

White Soul


In your plentiful void
In the company of dreams
Flaming tongues stir
And on
Shy of life's engine
Naked in utter light
Under timeless nonfinity
We keep the words
The original answers
Our boundless choices,
Only to seed the rippling,
unwritten tundra
Leaving the sacred mountain
in lesser hands.